Elegância indiscreta


Tati Bernardi, em texto no portal ViajeAqui:

Mas estou chateadíssima com os cariocas. Já no meu primeiro dia por aqui, vi uma turminha de bombados fazendo xixi no pneu de um carro propositalmente, pois a placa era de São Paulo.

Aliás, por falar em xixi, não sei se é porque o carnaval acabou não tem muito tempo, mas a cidade está impregnada pelo cheiro desagradável de quem aliviou os rins bem em meio as ruas e a luz do dia. To evitando voltar do almoço a pé para não vomitar.

No meu segundo dia, uma perua de pele toda manchada (carioca não cuida da pele do rosto não?) me deu um encontrão na rua, derrubou minha bolsa e saiu me xingando de branquela! “Só pode ser de São Paulo essa garota!” Sim, se ter a pele bonita e cuidada é ser de São Paulo, sou com muito orgulho.

E nos últimos dias já ouvi de tudo. Que em Sampa os preços de imóveis deveriam ser infinitamente menores porque nada aqui é bem localizado! Que paulista só pensa em dinheiro e fala de um jeito chato. Que somos estressados. Que o trânsito da cidade cinza é insuportável…

Os cariocas deveriam respeitar mais a cidade linda em que vivem e não estragar com suas próprias existências um lugar tão bacana.

São Paulo está cheio de cariocas querendo ganhar grana (alguns deles, inclusive, querendo atingir esse feito sem trabalhar muito!), estressando a gente e piorando nosso trânsito. E o trânsito do Rio consegue ser muito pior do que o nosso, mais violento e com uma malandragem que dá certo nojo.

(…)

O Rio pra mim mora nos meus cds, livros e dvds de Bossa Nova. No Vinícius. Em fotos P&B. Esse que vejo hoje e que exala tanto preconceito (tanto que até me contaminou nesse texto), me dá certo medo e um pouco de birra.

Muita gente se ofende com um retrato assim, tão verdadeiro e direto. Eu diria até “de uma elegância indiscreta”. Faz parte. Mas eu não acho isso nem um pouco exagerado, muito pelo contrário. Essa malandragem, essa cultura da “esperteza”, essa mania de se achar melhor que todo mundo, tudo isso são traços muito desagradáveis do povo carioca, sim.

E como eu já comentei aqui em outra ocasião, o que mais me irrita nisso tudo não são nem os defeitos do povo. É a tendência a se orgulhar deles.

O problema maior do carioca não é ser mal educado. É se orgulhar de ser “autêntico”. Não é ser preconceituoso. É ser “divertido”. Não é ser incapaz de cumprir algo combinado. É ser “descolado”. Não é emporcalhar as ruas. É “não ter frescura”. Não é se vestir mal, ou praticamente nem se vestir. É ser “despojado”. Não é ser vulgar. É ser “sensual”. Não é ser malandro. É achar que os outros são otários. Repetindo a frase que usei no outro texto: o carioca é um povo que transforma os defeitos em estilo, e debocha daqueles que não tem esses defeitos.

No Rio, se você é educado, é esquisito. Se é muito educado, é gay. Se chega na hora, é um chato. Se cobra respeito às leis, é cri-cri. Se dá “bom dia” numa loja, te olham como um ET. Se reclama de não ouvir “bom dia” numa loja, te olham como um ET mala. Se se veste como gente, é um ET do planeta mais esquisito da galáxia. Se você trabalha, e gosta disso, “parece paulista”. Se você se chateia porque as coisas não funcionam, é estressado. Se você prefere outros programas a praia, você só pode ter sérios problemas psicológicos ou sexuais. Se você acha que existe no mundo mulher mais bonita que a carioca, homem mais charmoso que o carioca, futebol melhor que o carioca, comida melhor que a carioca, carnaval melhor que o carioca… Ah, meu caro, então é caso de internação imediata.

A história que Tati conta sobre o esbarrão de Ipanema é lapidar. A sujeita é mal educada, não olha por onde anda, derruba a bolsa da outra e não pede desculpas, e ainda se sente no direito de reclamar dela. E como faz isso? Pegando uma qualidade de Tati, e usando como um defeito. “Essa garota branquela só pode ser de São Paulo”. Porque, pra ela, “ser branquela” é xingamento. E ser de São Paulo também. Legal mesmo é andar pela cidade parecendo que esqueceu metade da roupa em casa, com a pele toda torrada e acabada, e se achando “a gostosa”. Narciso acha feio aquilo que não é espelho.

E olha que eu nem sou tão fã assim de São Paulo não. Pelo contrário, tem gente que é bem mais apaixonada que eu pela terra da garoa. Eu admiro São Paulo pelas coisas que funcionam. Eu admiro São Paulo pela sua vida cultural, mil e quinhentas vezes mais interessante que a do Rio. Eu admiro São Paulo pela elegância do seu povo – principalmente da metade feminina dele. Apenas estou bem longe de achar que seja a melhor cidade do mundo.

Mas Tati chuta na canela com esse trecho:

São Paulo linda, com seus cafés europeus, ruas com moda que não fazem feio nem a Milão, parques, praças, cinemas infinitos, restaurantes respeitados no mundo inteiro, garotas elegantes, barzinhos de jazz, a chuva que faz a gente amar alugar uns DVDS e receber amigos de verdade…não aqueles “oba-oba” que você faz aos montes em outras cidades mais forçadamente festivas.

E mais uma vez é inegável que ela tem toda a razão. Aliás, a última sentença, sozinha, já renderia um tratado… E por mais que eu não ame São Paulo, não seja uma cidade do meu top 10, só esse parágrafo já é mais que suficiente para que eu a ache um lugar melhor que o Rio.

PS: Sim, claro, eu também admiro São Paulo por ser a cidade que tem o único clube penta campeão brasileiro… 🙂

Anúncios

7 Responses to Elegância indiscreta

  1. Carol Linden disse:

    Em primeiro lugar, eu obviamente tenho que agradecer a menção honrosa. 🙂
    Mas depois vou defender o carioca… claro. 😉
    Eu adoro SP sim. Tive a sorte de sempre encontrar com pessoas agradáveis por lá – conhecidos ou estranhos na rua. Mas o paulista tem a sua arrogância com quem não vive nos padrões terno-e-gravata (nada que se compare com Brasília, claro). O paulista se acha o tal porque chega na Oscar Freire com seu Audi conversível e não entende se a menina (carioca!) não olha pra ele – por que a menina do Leblon não olha pra mim se eu nem uso óculos? A paulista é perua, é over, é excessivamente maquiada e escovada. Li certa vez em uma dessas revistas femininas de pouco conteúdo que a carioca é a única brasileira que sai na rua de cabelo molhado depois do banho. Não preciso dizer de que cidade é a revista. Não sei se somos as únicas – aqui em Bsb, com certeza, sou uma das poucas (aliás, coisa mais pitoresca é ver na academia o que sai do chuveiro e o que sai do banheiro depois de vestida com meia calça pra segurar a celulite, maquiagem pra segurar as rugas e escova pra segurar os cabelos.
    Em síntese: todo mundo tem defeitos. O paulista “típico” é insuportável ao dizer que só SP trabalha, que SP leva o Brasil nas costas. O carioca “típico” é insuportável ao dizer que é melhor em tudo do que todo mundo (embora o seja em algumas coisas, hehehehehe…). O goiano “típico” é insuportável ao dizer que a melhor comida do mundo é arroz com pequi. O brasiliense “típico” é insuportável ao dizer que o problema de Brasília não é quem é daqui e sim os políticos que o resto do país manda pra cá, o gaúcho “típico” é insuportável ao dizer que o RS tinha que se separar do país…
    Bjs.

  2. Marina disse:

    Deposi de ler, isso tive que postar. Sou carioca, e AMO a minha cidade, mas também amo SP, por todos os outros motivos dos quais eu não me orgulho nem um pouco de ser carioca. Odeio falta de educação, odeio birra, odeio “marra” , odeio coisas que não funcionam. E realmente, quando chego de São Paulo , segundo os meus amigos viro uma chata de galocha, porque fico falando das coisas que funcionam, da vida cultural que não chega até aqui, dos caras que antes de chegar em CONVERSAM comigo, do fato de ter muito mais mercado de trabalho ( ainda mais na minha area comunicação), e acho ridículo carioca falando mal de paulista, até porque muitas vezes, falam sem conhecer e tudo não passa de um si´mples preconceito de sotaque. Não sei se tenho um pouco de ” alma paulista” mas acho o fim essa mania carioca de ir de chinelinho pra tudo é quanto, de botar qualquer coisa p/ ir num restaurante achar que tá bom. Talvez, as paulistas em alguns casos pequem pelo excesso, mas talvez as cariocas pequem pela falta. E eu não costumo sair de cabelo molhado primeiro porque eu acho deselegante, segundo porque apesar de ser refrescante no calor, o cabelo molhado é como uma esponja que abserve tudo então , vai mais poluição poeira e etc, pro seu cabelo… Heheh…Beijos!

  3. […] escreveu, neste post: Eu adoro SP sim. Mas o paulista tem a sua arrogância com quem não vive nos padrões […]

  4. Isabela Vianna disse:

    Esteriotipar, esse é o problemas de qlqr pessoa que fale dessa rixa RJxSP.
    “Tive uma experiência ruim com uma carioca que me chamou de ‘branquela paulista’ e por isso acho que todo carioca é assim…” “Carioca n responde a um bom dia numa loja de cd’s” “O trânsito do RJ é muito pior do que o de SP,mais violento tb” Entre outros… São os maiores absurdos que eu já li em toda a minha vida!!
    Então quer dizer que pq uma senhora sem educação e mal humorada te destrata ele simboliza todo um povo? Ah, então vc deveria conversar mais com cariocas de bem humorados, e aproveitava pra conferir que a MAIORIA dos cariocas responde sim a um “Bom Dia”. Na verdade, isso é quase uma marca do Rio. Não sei onde vc mora, mas no Rio que eu conheço, todo mundo dá “bom dia”. Mas agora vem o TOP TOP, como assim o transito do RJ é pior do que o de SP?? Isso é piada, né? Posso citar, de cabeça, umas cinco pesquisas recentes sobre o caos que é o transito de SP. O do Rio é ruim, sim. Mas o de SP ganha de longe… E falar de violência? As pessoas sempre associam diretamente ela ao Rio, mas como fonte de informação lhe digo: o maio numero de assaltos à motorista é na CIDADE de SP. Preciso dizer mais?
    E só pra finalizar… Malandro Carioca não é aquele que quer se dar bem com todo mundo. Malandro carioca é aquele que se vira com o que tem sendo honesto e trabalhando muito… Porque se fosse assim, SP virava colonia do RJ! (desculpe, não tive como segurar essa…rs)

    Não generalize! Conheça ,pesquise e tenha a mente aberta.

  5. Nathalia disse:

    Em primeiro lugar gostaria de afirmar que adoro os textos da Tati Bernardi. A considero muito talentosa dentro de suas competências, mas cá pra nós, pra que tanta raiva dos cariocas meu Deus?????
    Já fui a São Paulo, uma grande metrópole, linda e com problemas iguais aos do Rio de Janeiro: a desigualdade social, a violência e blá blá blá… mas isso existe lá e em várias outras cidades do Brasil e do mundo.

    Mas quem disse que carioca não trabalho?
    Carioca trabalha e MUITO, mas o que fazer se da janela do escritório você vê um mar lindo te convidando pra um chopp gelado depois do expediente?

    Quem disse que carioca é mal educado?
    Carioca é um povo alegre, receptivo, de bem com a vida, que está sempre sorrindo, acho no mínimo aceitável que algum ser dessa cidade esteja num dia difícil e não te trate tão bem, gente estressada e de mal humor existe nos quatro cantos do mundo.

    Quem disse que carioca não cuida da pele ou não sabe se vestir?
    Ok, ok, deve ser um pouco chato ver seu namorado babando pela marquinha de biquíni da carioca na mesa ao lado com sua pele linda e bronzeada.
    E ainda mais vestindo uma roupa fresquinha e leve, sem se preocupar em combinar bota/sapato/cinto e muito menos em onde vai carregar o guarda-chuva que estraga toda sua escova progressiva….

    Por fim, não to aqui pra falar mal da cidade de ninguém, mas pelo amor de Deus, cada um no seu quadrado!!!!!

    “Não me sinto minoria, nunca me senti… Eu tenho horror a gueto. Quero viver num mundo diferente. Quero viver num mundo em que todo mundo conviva igual… Não faria parte de um gueto, nunca. Eu não gosto de andar só com preto, só com judeu, só com viado. Eu gosto de viver é com todo mundo junto. É uma experiência que eu tenho de vida. Me sentiria muito mal em levantar bandeira de qualquer coisa que fosse muito específico, portanto não quero levantar bandeira de minorias. Acho que a coisa tem que ser maioral”.

    Cazuza.

    Chega dessa historia de paulista com paulista e carioca com carioca… sejamos maiorais!

  6. ThayLinO disse:

    Carak gente!
    Tbm adoro os textos da Tati, porém acho meio blasé o fato dela metralhar o Rio!
    Sei que aiii, o povo é “descolado” d+, “desestressadO” d+… e mal liga pra roupa! Todo mundo qse nú.
    Mas Sampa tbm… com todo o seu barulho, e poluição… nao chega a ser nenhum paraíso! AchO que há um exagero tanto dos cariocas como dos paulistas! Sou de BsB… aqui não tem tanta gente queimada, nem grande poluição, não trabalhamos o tempo todo (alias… logo aki?), e muito menos essa descriminação que rola cavernosamente entre um povo e outro! No máximo, rimos dos “rrrrs” puxados dos paulistas e goianos e achamos meio “forçado” o “s” dos cariocaxxx!
    Masss… vamos convivendo! Assim que deve ser!

  7. Eduardo disse:

    Tati Bernardi, você falou tanta besteira que me deu vontade de rir muito kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Sem comentários ! vc parece muito divertida.

    Parabéns pelo seu texto comédia

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: